HORA DA MÚSICA

JOÃO GILBERTO

João Gilberto (1931) é um cantor, compositor e violonista brasileiro, considerado o criador da Bossa Nova, o novo movimento da música popular brasileira que surgiu no fim dos anos 50.

João Gilberto de Prado Pereira de Oliveira (1931) nasceu em Juazeiro, Bahia, no dia 10 de junho de 1931. De família de músicos, ainda adolescente formou o grupo musical Enamorados do Ritmo. Com 18 anos mudou-se para Salvador e tornou-se crooner da Rádio Sociedade da Bahia. Em 1950 mudou-se para o Rio de Janeiro, onde fez parte do conjunto Garotos da Lua, que se apresentavam na Rádio Tupi. Com o grupo gravou dois discos, mas por indisciplina foi expulso do conjunto.

Passou alguns anos dedicando-se ao estudo do violão. Em 1958, fez participação como violonista no disco de Elizete Cardoso, com canções de Tom Jobim e Vinícius de Morais. Em março de 1959, a gravadora Odeon lançou o disco “Chega de Saudade”, onde João Gilberto abriu um novo caminho para a música popular - era a Bossa Nova, que o acompanhamento do violão possuía uma batida e uma harmonia diferentes. A faixa título composta por Tom Jobim lançou não só a carreira de João Gilberto, mas um novo estilo musical e principalmente toda uma geração de novos compositores, letristas e instrumentistas.

A aproximação de João Gilberto com Tom Jobim, pianista clássico, compositor e interessado em jazz – único tipo de música popular que permitia uma execução instrumental evoluída, foi aos poucos colocando essa técnica em função da música brasileira, dando expansão ao novo ritmo.

Em 1960, lançou “O Amor, o Sorriso e a Flor”, com destaque para a música “Samba de Uma Nota Só”. Nesse mesmo ano nasceu seu filho João Marcelo, de seu casamento com a contora Astrud Gilberto. Em 1961, lançou “João Gilberto”, onde se destacou “O Barquinho”. Nesse mesmo ano foi lançado no mercado norte-americano o disco “Brazil’s Brilliant João Gilberto”. Em 1962, no show O Encontro, dividiu o palco com Vinícius de Morais, Tom Jobim e o grupo vocal Os Cariocas. Apresentou-se nos Estados Unidos no Festival de Bossa Nova, no Carnegie Hall de Nova York. Fixa residência na cidade e lança o álbum “The Boss of the Bossa Nova”.

Em 1963, João Gilberto grava com o músico Stan Getz o disco “Getz/Gilberto., que só foi lançado no ano seguinte, que tornou-se um marco, consagrado com a música Garota de Ipanema. Nessa época realizou apresentações na Itália e no Canadá. Em 1965 recebeu o Grammy (Best Álbum) pelo disco Getz/Gilberto”. Nesse mesmo ano, separado de Astrud, casa-se com a cantora Miúcha, e se apresenta no programa “O Fino da Bossa”, da TV Record. No ano seguinte nasce sua filha Bebel Gilberto.

Em 1969, viajou para o México, onde residiu durante dois anos. Participou de festivais de jazz em Guadalajara, Cidade do México e Puebla. Fez vários shows e recebeu o troféu Chimal. No ano seguinte lançou o LP “João Gilberto em México”. Em 1971, participou do especial realizado pela TV Tupi, ao lado de Caetano Veloso e Gal Costa. De volta à Nova York, realizou com Stan Getz, uma temporada no Rainbow Grill.

Depois de várias apresentações e gravações, em 1980, voltou a residir no Brasil, fixando-se no Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano grava o especial “João Gilberto Prado Pereira de Oliveira”, que contou com a participação de Bebel Gilberto e Rita Lee.

Em 1986, se apresentou no Festival de Montreux, na Suíça. Sua participação foi gravada e lançada no CD duplo “Live at the Montreux Festival”. Em 1987, recebeu do governo brasileiro a Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho, no grau de Comendador.

João Gilberto continuou com suas apresentações no Brasil e fora do país. Em 1994, apresentou-se no Palace de São Paulo, tendo como convidada a sua filha Bebel Gilberto, gravando ao vivo para o CD “Eu Sei Que Vou Te Amar”.

Os últimos lançamentos de João Gilberto foram: “João, Voz e Violão” (2000), que recebeu o Grammy na categoria Best World Music Álbum, e o CD “João Gilberto in Tokyo” (2004). Depois de longo período fora dos palcos, em 2008 apresenta-se no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, celebrando 50 anos da Bossa Nova.

João Gilberto reside no Leblon, Rio de Janeiro, é pai de Luiza Carolina, filha de sua empresária Cláudia Faissol.

Fonte: www.e-biografias.net/jo_o_gilberto/

CANTE COM JOÃO GILBERTO

MANHÃ DE CARNAVAL
Composição: Antonio Maria e Luiz Bonfa
Intérpetre: João Gilberto
 

 

Manhã, tão bonita manhã
Na vida, uma nova canção
Cantando só teus olhos
Teu riso, tuas mãos
Pois há de haver um dia
Em que virás
Das cordas do meu violão
Que só teu amor procurou
Vem uma voz
Falar dos beijos perdidos
Nos lábios teus

Canta o meu coração
Alegria voltou
Tão feliz a manhã

Deste amor

SAMBA DE UMA NOTA SÓ
Composição: Tom Jobim, Newton Mendonça e Herbie Mann
Intérpetre: João Gilberto

 

Eis aqui este sambinha feito numa nota só
Outras notas vão entrar mas a base é uma só
Esta outra é conseqüência do que acabo de dizer
Como eu sou a conseqüência inevitável de você

Quanta gente existe por aí que fala tanto e não diz nada,
Ou quase nada
Já me utilizei de toda a escala e no final não sobrou nada, não deu em nada

E voltei pra minha nota como eu volto pra você
Vou contar com a minha nota como eu gosto de você
E quem quer todas as notas: ré, mi, fá, sol, lá, si, dó
Fica sempre sem nenhuma
Fique numa nota só

E quem quer todas as notas: ré, mi, fá, sol, lá, si, dó
Fica sempre sem nenhuma

Fique numa nota só

CHEGA DE SAUDADE
Composição: Vinicius de Morais e Tom Jobim
Intérpetre: João Gilberto e Caetano Veloso  

 

Vai minha tristeza
E diz a ela que sem ela não pode ser
Diz-lhe numa prece
Que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade
A realidade é que sem ela não há paz
Não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai

Mas se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei
Na sua boca

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos, e carinhos sem ter fim
Que é pra acabar com esse negócio de você viver sem mim

Não há paz
Não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai

Dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos, e carinhos sem ter fim
Que é pra acabar com esse negócio de você viver sem mim
Não quero mais esse negócio de você longe de mim
Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim.

DORALICE
Composição: Dorival Caymmi e Antonio Almeida
Intérpetre: João Gilberto

 

Doralice eu bem que te disse
Amar é tolice, é bobagem, ilusão
Eu prefiro viver tão sozinho
Ao som do lamento do meu violão

Doralice eu bem que te disse
Olha essa embrulhada em que vou me meter
Agora amor, Doralice meu bem
Como é que nós vamos fazer?

Doralice eu bem que te disse
Amar é tolice, é bobagem, ilusão
Eu prefiro viver tão sozinho
Ao som do lamento do meu violão

Doralice eu bem que te disse
Olha essa embrulhada em que vou me meter
Agora amor, Doralice meu bem
Como é que nós vamos fazer?

Um belo dia você me surgiu
Eu quis fugir mas você insistiu
Alguma coisa bem que andava me avisando
Até parece que eu estava adivinhando

Eu bem que não queria me casar contigo

Bem que não queria enfrentar esse perigo, Doralice
Agora você tem que me dizer

Como é que nós vamos fazer?

AQUARELA DO BRASIL
Composição:
Intérpetre: Caetano Veloso, João Gilberto e Gilberto Gil

 

Brasil!
Meu Brasil Brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
Brasil, samba que dá
Bamboleio, que faz gingar
O Brasil do meu amor
Terra de Nosso Senhor...

Abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do cerrado
Bota o rei congo no congado
Canta de novo o trovador
A merencória à luz da lua
Toda canção do seu amor
Quero ver essa dona caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado...

Esse coqueiro que dá coco
Oi! Onde amarro minha rede
Nas noites claras de luar
Por essas fontes murmurantes
Onde eu mato a minha sede
Onde a lua vem brincar
Esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil Brasileiro
Terra de samba e pandeiro...

Brasil!
Terra boa e gostosa
Da morena sestrosa
De olhar indiferente
Brasil, samba que dá
Para o mundo se admirar
O Brasil, do meu amor
Terra de Nosso Senhor...

Abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do cerrado
Bota o rei congo no congado
Canta de novo o trovador
A merencória à luz da lua
Toda canção do seu amor
Huuum!
Essa dona caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado...

Esse coqueiro que dá coco
Onde amarro minha rede
Nas noites claras de luar
Por essas fontes murmurantes
Onde eu mato a minha sede
Onde a lua vem brincar
Huuum!
Esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil Brasileiro
Terra de samba e pandeiro...

Brasil!
Meu Brasil Brasileiro
Mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
Brasil, samba que dá
Bamboleio, que faz gingar
O Brasil do meu amor
Terra de Nosso Senhor...

Abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do cerrado
Bota o rei congo no congado
Canta de novo o trovador
A merencória à luz da lua
Toda canção do seu amor
Quero ver essa dona caminhando
Pelos salões arrastando
O seu vestido rendado...

Esse coqueiro que dá coco
Onde amarro minha rede
Nas noites claras de luar
Por essas fontes murmurantes
Onde eu mato a minha sede
Onde a lua vem brincar
Esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil Brasileiro
Terra de samba e pandeiro...

Oi! Essas fontes murmurantes
Onde eu mato a minha sede
Onde a lua vem brincar
Esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil Brasileiro
Terra de samba e pandeiro
Brasil!


Esta é uma página cultural para divulgar as músicas preferidas e sugeridas pelos nossos internautas, sem interesse comercial, financeiro ou econômico, pois arcamos com todas as despesas para mantê-la no ar. Não temos patrocínio.
Tudo o que fazemos é com muito amor para os nossos "velhosamigos".
Lou Micaldas

Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um "Velho Amigo"?
Clique Aqui