UM JARDIM DE CURA

(Louise L. Hay)

Pergunte à Mãe Terra de que maneira colaborar com ela, como receber suas bênçãos e abençoá-la em troca.
Se não cuidarmos dela, quem cuidará?


UM JARDIM DE CURA
Verdadeiramente, sinto que agora sou parte de toda a vida. Estou em sintonia com as estações, o clima, o solo, a vegetação e todas as criaturas que vivem na terra, nos oceanos e que se movimentam pelo ar. Não poderia ser de outra maneira. Todos nós usamos o mesmo ar, o mesmo solo e a mesma água. Somos todos independentes. Quando estou trabalhando no quintal, amorosamente enriquecendo o solo, plantando, colhendo e reciclando, sinto essa unidade.

Posso tomar um pedaço de chão duro e improdutivo, coberto de mato, e lentamente transformá-lo num canteiro que sustentará a vida em todas as suas formas. É como tomar uma parte da mente, cheia de pensamentos e modelos destrutivos e alimentá-la, de modo que ela possa criar e sustentar experiências saudáveis e enriquecedoras. Pensamentos positivos de amor produzem o bem-estar. Pensamentos negativos, de medo e ódio, contribuem para a doença. Podemos curar nossa mente.

Podemos curar a alma. Podemos curar o solo. Podemos ajudar a criar um planeta saudável em que prosperaremos e viveremos com alegria e conforto. Mas isso só acontecerá quando amarmos a nós mesmos. Pessoas que não se respeitam raramente respeitam o meio ambiente e não sentem necessidade de cuidar dele. Só quando nos amarmos e entrarmos em sintonia com a natureza seremos capazes de transformar nosso chão duro em terreno fértil.

Quando você vir uma minhoca em seu jardim, saberá que criou um ambiente sadio, capaz de sustentar a vida. A Terra é nossa mãe. Precisamos dela para sobreviver. Mas ela não precisa da humanidade para continuar existindo. Antes de aparecermos neste planeta, a Mãe Terra estava saindo-se muito bem. Se não tivermos um relacionamento amoroso com ela, desapareceremos. É hora de mudar o impulso de destruição que criamos.

Nos dois últimos séculos da chamada evolução civilizada, conseguimos destruir mais deste planeta que nos precedentes 2 mil séculos. Em menos de duzentos anos, causamos mais dano ao planeta do que nos anteriores 200 mil. Isso não depõe muito a favor da gestão que nos foi confiada. Não se pode cortar uma árvore e esperar que o nível de oxigênio continue o mesmo. Não podemos jogar produtos químicos nos rios, lagos e riachos e esperar que a água que bebemos não afete nosso corpo físico.

Nós e nossos filhos somos obrigados a beber dessa água impura. Não podemos lançar toxinas e produtos químicos no ar e esperar que o ar se purifique por si mesmo. A Mãe Terra está fazendo o melhor que pode para combater essas práticas destrutivas da humanidade. Todos nós temos de desenvolver um relacionamento íntimo com a Terra. Fale com ela. Pergunte à Mãe Terra de que maneira colaborar com ela, como receber suas bênçãos e abençoá-la em troca.

Queremos amar esta pequena esfera que gira no espaço. Se não cuidarmos dela, quem cuidará? Para onde iremos, se um dia não a tivermos mais? Não temos o direito de ir para outro ponto do espaço exterior, pois ainda não aprendemos a cuidar nem de nosso próprio planeta. A consciência da Terra existe numa relação diferente de tempo. Para ela, é indiferente que a humanidade a habite ou não.

A Terra é uma grande mestra para aqueles que param para ouvi-la. A vida não acabará aqui, por mais que a humanidade tente. A Terra permanecerá. Apenas a humanidade voltará para o nada de onde saiu, a menos que mudemos nosso comportamento. Todos os habitantes deste mundo, não importa onde vivam, ou como, têm um relacionamento íntimo com ele. Ajude, certificando-se de que seu pedaço de chão é amoroso e capaz de sustentar a vida.
Minha filosofia a respeito de alimentação das colheitas vêm os alimentos que preparamos para nutrir o corpo.

Cozidos com simplicidade, sem muitos ingredientes, eles oferecem a nutrição adequada para manter saudável o corpo humano. Parece que abandonamos os alimentos saudáveis pela conveniência dos fast-foods. Nós, americanos, somos as pessoas mais gordas e doentes do mundo ocidental. Ingerimos alimentos gordurosos e industrializados em demasia, coisas cheias de produtos químicos.

Sustentamos os fabricantes às custas da própria saúde. Os cinco produtos mais vendidos nos supermercados são, nesta ordem: Coca-Cola, Pepsi-Cola, sopa Campbell's, queijo processado e cerveja. Esses artigos apresentam alto teor de açúcar e/ou sal. Nenhum deles contribui para a boa saúde. A indústria da carne e dos laticínios - depois falarei da do fumo - venderam-nos uma mentira , insistindo em que quantidades excessivas de leite e carne fazem bem à saúde.

Contudo, são essas exageradas quantidades de carne e laticínios que estão contribuindo para a esmagadora incidência de câncer do seio (e outros tipos de câncer) e doenças cardíacas em nosso país. O abuso de antibióticos está permitindo que novas doenças, das quais nunca ouvimos falar, entrem em nossas vidas. Os antibióticos matam a vida! A comunidade médica admite que é impotente para lidar com essas novas doenças, de modo que se volta para as milionárias empresas farmacêuticas, que por sua vez torturam animais para testar seus produtos e acabam por criar novas drogas que apenas contribuem para o enfraquecimento de nosso sistema imunológico. Hormônios criados pela engenharia genética invadem o suprimento de leite e, agora, tornou-se perigoso para a saúde consumir iogurte, manteiga, queijo, sorvete, molhos e sopas cremosos ou qualquer coisa à base de leite, inclusive nossas amadas panquecas.

Esses hormônios também vêm da indústria farmacêutica. Como ser humano preocupado com a saúde, você precisa saber se o leite que bebe contém esses hormônios. Pergunte ao seu revendedor e exija uma resposta. Descubra se o sorvete que dá a seus filhos não os está envenenando. Antigamente, o sorvete era feito apenas com leite integral, ovos e açúcar. Hoje, os fabricantes usam vários ingredientes sintéticos e não são obrigados a relacioná-los no rótulo.

Minha filosofia básica sobre a alimentação é: se uma coisa nasce do chão, coma-a, mas, se não nasce, dispense-a. Frutas, legumes, verduras, nozes e cereais, nascem do chão. Sopas enlatadas e Coca-Cola não nascem. Produtos agrícolas nutrem o corpo. Alimentos industrializados, feitos pelo homem, não conseguem sustentar a vida. Não importa quanto a figura no pacote seja linda e convidativa, em seu interior não há vida!
As células do corpo são vivas, portanto precisam de alimento vivo para crescer e reproduzir-se. A Vida já nos deu tudo o que precisamos para nos alimentarmos e permanecermos saudáveis. Quanto mais simples forem nossos hábitos alimentares, mais saúde teremos.

Somos o que pensamos e o que comemos. Sabendo que tudo o que damos recebemos de volta, com freqüência fico imaginando o carma dos fabricantes de alimentos, que conscientemente produzem comida que prejudica a saúde, e nos que fabricam cigarro e colocam aditivos em seus produtos de modo a torná-los ainda mais propensos a causar vício.

Precisamos prestar atenção ao que colocamos no corpo!
Se não fizermos isso, quem o fará? Evitamos as doenças, vivendo de maneira correta. Algumas pessoas tratam o corpo como se fosse máquina, da qual abusam e que mandam depois para a oficina, a fim de que seja consertada!

Texto do livro "Você Pode Curar sua Vida"
Editora Best Seller


Para acessar matérias anteriores,
clique na caixa abaixo. 


 

Qual a sua opinião sobre esta matéria?
Envie suas críticas e sugestões.

Clique aqui

Deseja enviar esta página para um "Velho Amigo"?
Clique Aqui

<< Clique Aqui para voltar